De uma adição a outra

De uma adição a outra

This text is also available in: Espanhol

From one addiction to another

Nelson Feldman (Genebra, Suiça)
Psicanalista. Membro da New Lacanian School (NLS) e da Associação Mundial de Psicanálise (AMP), responsável pelo TyA em Genebra, atual Presidente do Bureau de l’Asreep-NLS, trabalha no Hospital Universitário de Genebra.

Resumo: O trabalho revisa a noção de “fixação” freudiana, para localizar o elemento em comum entre o sem números de adições existentes na atualidade.
Palavras-chave: psicanálise, adições, fixação, gozo.
Abstract: The paper deals with the concept of fixation in the freudian psychoanalysis in order to reveal the common element within the innumerous addictions of our times.
Keywords: psychoanalysis, addictions, fixation, jouissance

A proposta para este texto é abordar o conceito da Fixierung freudiana e de seus laços com as adições.

A fixação a uma fase libidinal foi uma das acepções do termo “Fixierung” em Freud (FREUD, 1905). Em psicanálise, o termo fixação caracteriza o modo de apego da libido à organização das fases da evolução segundo a teoria da sexualidade infantil presente no texto “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade”. É nesse texto que Freud evoca a fixação oral, anal e fálica.

A fixação testemunha o peso do passado (regressão) e a dificuldade para descolar-se dele. Esse termo está mais presente na primeira tópica e na segunda é citado nas fases de regressão do tratamento psicanalítico. Esse conceito remete à predominância de um modo de satisfação, o que podemos transpor para certo modo de gozo.

Em seu texto de 1938 sobre os complexos familiares, Jacques Lacan evoca os impasses no complexo de sevrage: “o desmame é um traumatismo psíquico cujos efeitos individuais, anorexias mentais, toxicomanias orais, neuroses gástricas, revelam suas causas à psicanálise” (LACAN, 1984, p. 27-34). Por acaso essa não é uma maneira pela qual Lacan aborda a fixação oral? Ele faz referência ao “envenenamento lento de toxicomanias orais” e à anorexia mental como um retorno à mãe através da morte. Uma maneira de evocar certas formas clínicas com uma tendência mortífera.

Deslocamentos: de uma adição a outra

Em certos casos, a constância do objeto de adição pode verificar-se com o consumo compulsivo de um único tipo de substância (“minha droga”). No entanto, atualmente, constata-se na clínica que os sujeitos aditos consomem várias substâncias em suas trajetórias aditivas ainda que uma delas possa ocupar o lugar principal.

Em outros casos, a constância pode referir-se a um modo particular de consumo: injetar-se nas veias, fumar ou inalar, beber ou cheirar.

Na Europa dos anos 80, a adição à heroína ocupou um lugar central na cena da toxicomania endovenosa. Posteriormente os consumos foram mudando e se estendendo a outras substâncias como a cocaína, inalada a partir dos anos 90, e, a partir do ano 2000, a expansão das novas drogas sintéticas.

Em certas situações clínicas, um sujeito adito deixa de consumir uma substância da qual era dependente e os terapeutas que trabalham com ele podem pensar que o tratamento tenha sido eficaz. Porém, pouco tempo depois, comprova-se que, logo depois de ter deixado o álcool, o sujeito prossegue sua adição de outra maneira: com outra substância, com o uso compulsivo de tranquilizantes ou com outra adição. A adição foi deslocada de um objeto para outro, o tratamento pode ter favorecido uma mudança, porém a modalidade aditiva persiste de outra maneira. Pode-se por à prova se esta nova adição é menos autodestrutiva ou não, pois pode implicar algum tipo de deslocamento nos riscos e no modo de satisfação e de gozo, o qual deve ser analisado caso a caso.

No caso dos tratamentos de substituição com heroína sintética, os pacientes tratados nesses centros entram em um dispositivo médico de consumo regulado, e relatam que o efeito próprio da substância é muito menos intenso, apesar de uma pureza maior que a da droga da rua: não é o mesmo gozo, algo foi perdido (FELDMAN, 2014, p. 41- 44).

As novas adições

Em editorial da revista La cause freudienne sobre a experiência dos aditos, Marie-Hélène Brousse afirma que o significante “adição está na boca de todos, brilha no discurso contemporâneo, substitui paixão ou hábito e é sintoma do imperativo de gozo” (BROUSSE, 2014, p.5-6). Ernesto Sinatra, com sua teorização a respeito da toxicomania “generalizada”, também nos aproxima dessa “multiplicação dos coquetéis infinitos de drogas oferecidos ao consumidor” (SINATRA, 2010, p. 13-14).

Na clínica se verifica uma nova apresentação de sujeitos que se apropriam desse significante e procuram tratamento por “adições sem substância”: jogo patológico, ciber-adições, adições sexuais (hypersexuality), compras compulsivas, workaholics, dependências “afetivas”. É o campo que as recentes lições de TyA denominam as adições.

Qual é o ponto em comum dessas modalidades tão diversas? O gozo repetitivo é o ponto em comum que reúne modalidades tão diversas, com a queixa de perda de controle e o componente compulsivo. Em todas elas verifica-se um efeito no corpo através da sensação de gozo que proporcionam: o efeito de antecipação e excitação (craving), a tensão que precede a prática, seguida da sensação de descarga. O corpo participa de maneira diferente, pois não é comparável uma injeção endovenosa com uma máquina caça-níqueis. Porém, sim, há uma fixação a uma modalidade aditiva que remete a um circuito de gozo e à compulsão à repetição. Há então uma substância gozante (substance jouissante) ainda que se as denomine adições “sem substância”. Jacques-Alain Miller lembra que “o gozo repetitivo, o gozo da adição é o que Lacan denomina o sinthome, correlativo da adição” (MILLER, 2011, classe de 23 de março).

A função subjetiva para cada sujeito é o que permitirá precisar o singular dessa prática e a construção do caso. Essa clínica do caso a caso é o que permite não cair na generalização de um tratamento uniforme para todos. A clínica poderá avançar a partir dos significantes que cada sujeito traz em resposta à proposta do analista de trabalhar a partir de sua palavra. Para os sujeitos que consultam por uma mesma modalidade aditiva, a função pode ser muito diferente.

Um caso

Mr L vem à consulta por uma “adição às imagens pornográficas”. Diretor de uma empresa, sente-se oprimido pela compulsão a olhar imagens homossexuais, não somente nos momentos livres, mas também em seu lugar de trabalho, durante as pausas, no sanitário, ou inclusive enquanto conduz seu veículo. A perda de controle em ficar vendo cada vez mais essas imagens, o impulsiona a consultar o analista. Vem com uma pergunta: por que essa fixação?

Há anos, fez uma escolha homossexual e mora com seu parceiro por quem se sente atraído, ainda que não tenha relações com a frequência que desejaria. Através do trabalho em sessão, rememora alguns detalhes familiares: seu irmão mais velho, com transtornos psíquicos severos, se masturbava em sua presença. O fato de falar dessa contingência não teve um efeito resolutivo, porém, sim, aportou ao sujeito, através do trabalho associativo, a possibilidade de abordar certa fixação a um gozo que o invade e de reconhecer certos significantes que puderam participar da escolha das imagens. Esse trabalho associativo traz um olhar sobre suas práticas e a compulsão repetitiva a esse modo de gozo. O esforço por falar e interrogar-se trouxe-lhe certo alívio e ajudou a atenuar o transbordamento pulsional. Ao mesmo tempo, revelar certo sentido não é resolutivo desse tipo de compulsão. Como assinala J.-A. Miller: ”diferente do sintoma, o sinthome não é correlativo de uma revelação senão de uma constatação” (MILLER, 2011) e está por fora do saber e do sentido, dificuldade maior nesta clínica.

Resta outro ponto central: que tipo de gozo proporcionam essas imagens: aceder e realizar fantasias inconscientes, uma satisfação escópica através do olhar? A pulsão escópica tem seus pontos de fixação e um transbordamento pulsional. São questões a elucidar.

Como Freud assinala na Interpretação dos sonhos, sempre haverá um resto impossível a interpretar, “um ponto obscuro”, e esse resto de real por fora do sentido está presente na clínica das adições (FREUD, 1987, p. 446).

Tradução do espanhol: Pablo Sauce
Revisão: Maria Wilma S. de Faria
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BROUSSE, M. H. “L’expérience des addicts ou le surmoi dans tous ses états”, en Revue La cause du désir, N° 88, Navarin Éditeur, 2014, p. 5-6.
FELDMAN, N. “Les lieux de la drogue: l’expérience suisse”, en Revue La cause du désir, N°88, Navarin Éditeur, 2014, p. 41-44.
FREUD, S. L’interprétation des rêves, chapitre VII, Presses universitaires de France, 1987, p. 446.
FREUD, S. “Los tres ensayos para una teoría sexual” (1905), en Obras completas, tomo II, Biblioteca Nueva, 1981, pp. 1169-1271.
LACAN, J. Les complexes familiaux, Navarin Éditeru, 1984.
MILLER, J.-A. “L’être et l’Un”, inédito, 2011.
SINATRA, E. ¿Todo sobre las drogas?, Grama Ediciones, 2010, p. 13-14.
Nelson Feldman
Next Post Previous Post