A felicidade do surfista

A felicidade do surfista

This text is also available in: Espanhol

The surfer happiness

Jorge Castillo[1] (Córdoba, Argentina)

Resumo: O artigo trata das diferenças clínicas entre as formas clássicas da toxicomania ligadas às drogas, e as novas adições ligadas aos objetos tecnológicos ou a intervenções não químicas no corpo. Assinala-se a respeito dessas últimas a errância como característica do extravio do sentido, fragmentação corporal, deslocalização do sujeito. Localiza-se a referência no Seminário XXI e a oposição entre errância e iteração, a dupla vertente do Uno e a ação do analista nesse sentido.
Palavras-chave: novas adições, errância, corpo, iteração, uno, ação do analista.
Abstract: The articule deals with the clinicals differences between classical drug abuse and the new adictions to technological objets or non chemical body interventions. It notes, about these, the wandering as characteristic of miscarriage of sense, body fragmentation and displaced subject. The reference is the XXI Seminar and the opposition between wandering and iteration. The double aspect of the One and the analyst action in this sense.
Keywords: new adictions, wandering, body, iteration, one, analyst action.

TyA é uma rede internacional e também um programa de investigação que tem mais de vinte anos. Nestes vinte anos, nós mudamos: analistas e pacientes. Há alguns anos, por exemplo, muitos analistas preferiam não atender adictos, poderiam ter esse luxo de comodidade. Hoje é ainda assim? É possível uma prática da psicanálise que exclua os adictos? Em todo caso, naqueles anos, esse “preferiria não fazê-lo» dos analistas sobre atender adictos estava aparentemente justificado. O toxicômano enquanto estereótipo é um paciente de risco, para si, para terceiros e para quem se encarregar do seu tratamento. Improváveis sujeitos; muitas vezes processados ou institucionalizados, excluídos ou auto-excluídos do sistema, delinquentes, suicidas. Sujeitos que se negam a falar, a dar sentido a seus atos. Que colocam à prova o método analítico tal como classicamente o temos concebido. Nada disso mudou. Este osso, essa pedra, não desapareceu, ainda está lá. Cresce como cresce uma cordilheira e sua manifestação mais evidente e sangrenta no social é o fenômeno do narcotráfico.

Tem sido utilizado de maneira indistinta os termos adicto e toxicômano. No entanto, nós perguntamos hoje se eles são os mesmos. É uma pergunta que surge da clínica já que algo disto nos é apresentado como novo: as mais diversas práticas que tornam-se aditivas e não têm como meio o objeto químico.

Os cyberadictos e seus infinitos subconjuntos, os novos jogadores compulsivos – que não jogam a vida na roleta russa mas que se hipnotizam com os caça-níqueis – os adictos aos pircing, às tatuagens, às cirurgias. Os adictos ao sexo, à pornografia. Workaholics, compradores compulsivos. Adictos em farmácias, às inovações tecnológicas. São uma plêiade, uma via láctea, uma maré. Aqui, os analistas, nos sentimos mais tranquilos. Embora fictício, os novos adictos são mais inofensivos. Podemos ler no jornal que uma pessoa morreu depois de jogar com o computador durante dois ou três dias, mas sem dúvida eles são fenômenos marginais, extraordinários e por isso são notícia. Mesmo que tenham traços semelhantes, as novas adições são menos exibidas no seu lado tanático e anti-social, que no lado que chamarei apoiando-me em Lacan, de errância: fora do sentido, fragmentação corporal e deslocalização do sujeito.

Em última análise, formular a questão pela função da droga, é o que se mantém guiando a clínica do TyA na via proposta por Freud, de pensar as adições como solução.

Dizia que me apoio em Lacan para falar de errância, quero citá-lo então, na primeira aula de seu Seminário XXI “Os não tolos erram” (Les non-dupe errent).

“’Errer’ é o resultado da convergência de errar com algo que não tem estritamente nada a ver, e que está relacionado com este ‘erre’ de que anteriormente lhes falei, que é estritamente a relação com a palavra iterar.” E em cima iterar! Porque se não fosse mais que isso, não seria nada: está lá apenas para o iter, que quer dizer viagem. É precisamente por isto que “cavaleiro errante” é simplesmente: “cavaleiro itinerante”. Só que, no entanto, errer vem de iterar, que não tem nada a ver com uma viagem, pois iterare quer dizer repetir, de iterum (re!). No entanto, não usamos esse iterare, senão para o que não quer dizer, ou seja, itinerar, como demonstram os desenvolvimentos dados ao verbo errer no sentido de errance [vagabundeio, errância], ou seja, fazendo do cavaleiro errante um cavaleiro itinerante.”

Lacan nos apresenta uma ideia da vida que é a que se tem comumente, como se fosse uma viagem. Uma viagem que começa com o nascimento e termina com a morte. Esta é a ideia que faz do homem um viator. Um viajante, um peregrino que atravessa esse mundo em que cada momento é distinto do outro. Um mundo em que, como anunciou Heráclito, não podemos nos banhar duas vezes no mesmo rio, pois quando o fazemos, o rio mudou e nós, já não somos mais os mesmos. Como planetas vagamos por terras em que cada paisagem é nova, estranha, desconhecida. Um mundo que não é mais que o próprio corpo, enquanto o homem corporifica o mundo. Neste ponto, Lacan assinala a confluência da errância com o erro. Como Don Quixote, erramos sem nunca atingir o alvo. Além disso, erramos para não acertar o alvo. No entanto, o solteiro / a solteira que não se casa com nenhuma mulher, que não é tolo de seus semblantes, que não se deixa jamais tornar-se presa termina encontrando-se com o desejo em seus pesadelos.

A perspectiva da psicanálise é outra. Desde Freud, com sua invenção da associação livre. Convidamos ao analisante a deixar-se levar pelos seus pensamentos, colocando-os em palavras porque sabemos que sempre encontraremos ali um elemento constante, imutável, insistente, inevitável. Das voltas que dei, uma corda não pode sair de um anel de aço. O itinerário se opõe aqui à iteração e nisso a etimologia nos ilustra sobre a clínica, pois este é o mesmo movimento em que a repetição pede o novo para esquecer isso que permanece sempre idêntico. O que é isso? O que é o que se itera? O que é que se tenta esquecer de maneira apaixonadamente defensiva? É algo da ordem do buraco no corpo e de sua borda, do conjunto vazio, da marca que não é mais do que um risco no disco. O desarmônico que interrompe a música em cada salto da palheta. A loucura sem sentido do Um, que no Seminário XIX Lacan chamará o “campo do uniano” para diferenciá-lo do traço unário. Como Janus, o deus das portas, o Um tem duas faces: uma que mira o buraco e outra que mira o sentido.

A ação do analista põe em jogo seu próprio corpo que, enquanto objeto a é capaz de introduzir uma pausa ali onde os gadgets no mercado pedem mais e mais. Faz entrar o Um em sua qualidade de bífido, separando sentido de buraco. Isto é uma ação pacificadora que pode, poderia deter a errância do sujeito tornando-o crédulo de seu próprio real.

O discurso analítico – ainda muito operativo no último ensino – produz S1 mas separando-os de S2 que já não é mais sentido escravo senão “saber fazer”.

Comover a defesa produz uma vacilação do sentido que gera a iteração, mas também se oferece como um pequeno saldo de saber. Uma solução que perde em significação e ganha em satisfação experimentada no corpo como vivo, se apresenta a nós como uma forma de relação diferente com o buraco que não implica necessariamente o surgimento de um sentido novo. Entendo que estamos aí na via do sinthoma. Não mais ambicioso que essa pequena bolha de vazio que injeta a letra muda h.


Tradução: Maria Célia R. Kato
Revisão: Oscar Reymundo

[1] Membro da EOL e da AMP. Coordenador da Rede TyA em Córdoba (Argentina).
Jorge Castillo
Previous Post